Leonardo Carneiro nasceu no Rio de Janeiro em julho de 1944. Em   1967 entra para a Faculdade Nacional de Filosofia da Universidade do Brasil (curso de Filosofia) e em 1968 para a Faculdade de Filosofia da Universidade do Estado da Guanabara (curso de Sociologia). De 1965 a 1975 participa ativamente dos movimentos de oposição à ditadura militar o que o impede de dar prosseguimento aos estudos e o leva a um período de 2 anos e 7 meses de prisão. Em 1975 passa a trabalhar profissionalmente como fotógrafo na revista Manchete, no Rio de Janeiro e, a partir daí, por certa de 25 anos, trabalha em diversos órgãos da imprensa brasileira: Visão, Isto É. Veja. Quatro Rodas, etc. Paralelamente ao trabalho profissional desenvolve um trabalho de cunho pessoal que expõe em algumas galerias do Rio do Janeiro e São Paulo:

 

•  em 1976 realiza uma exposição individual ("Foto-Postal") na livraria Leonardo da Vinci, no Rio de Janeiro.

 

•  na década de 80 participa de diversas coletivas na Galeria de Fotografia da Funarte, no RJ; em 1983 ganha, com mais 2 fotógrafos, o concurso de portfólios promovido por esta galeria, o que lhe rende uma exposição ("Vestígios") e a publicação, pela Funarte, de algumas de suas fotos em formato de cartão-postal.

 

•  em junho de 1990 realiza exposição individual no MASP, São Paulo.

 

•  em 1994 realiza exposição individual na Sociedade Brasileira de Cultura Inglesa (SP) sobre sua convivência com os índios Ticuna no Alto Solimões, AM, em 1985.

 

Em 1999 muda-se para a região de Visconde de Mauá (MG) e passa a trabalhar, também, com design e produção, à nível artesanal, de pequenos objetos de madeira, usando técnica de marchetaria.